Seguidores

domingo, 14 de agosto de 2016

Meditar meia hora por dia alivia ansiedade e depressão, revela estudo

Meditar por meia hora todos os dias ajuda a aliviar os sintomas da ansiedade e da depressão, revela uma análise feita com base em resultados de cerca de 50 testes clínicos.



 "Um grande número de pessoas recorre à meditação mas este exercício não é considerado parte de alguma terapia médica", disse o doutor Madhav Goyal, professor adjunto de medicina interna na Universidade Johns Hopkins e principal autor deste estudo publicado nesta segunda-feira (6) na edição online do Jama (Journal of the American Medical Association).

 "Mas na nossa pesquisa, a meditação parece aliviar os sintomas da ansiedade e de depressão tanto quanto os antidepressivos em outros estudos", afirmou Goyal ao esclarecer que estes pacientes não sofrem de formas severas de ansiedade ou depressão.

 Os cientistas avaliaram o nível de mudança dos sintomas entre as pessoas que sofrem de uma variedade de problemas de saúde, como a insônia ou a fibromialgia, um transtorno que causa dores musculares crônicas.


Apenas uma minoria destes pacientes sofria de uma doença mental, afirmaram os autores.


Eles constataram que a meditação conhecida como "de plena consciência", uma técnica budista que consiste em concentrar a atenção no momento presente, mostrou-se particularmente promissora.

 Geralmente, eles observaram sinais de melhora nos sintomas da ansiedade, da depressão e da dor, depois de um programa de meditação de meia hora por dia.

 Mas os cientistas observaram poucos indícios de melhora do nível de estresse ou da qualidade de vida.

 Nos testes clínicos analisados, nos quais os pacientes foram acompanhados por seis meses, os cientistas observaram que os benefícios da medicação persistiram.

 Esta análise incluiu 47 testes clínicos com um total de 3.515 participantes que praticavam diferentes técnicas de meditação e que sofriam de diversos problemas mentais e físicos, entre eles depressão, ansiedade, estresse, insônia e inclusive diabetes ou câncer.

Fonte ; UOL NOTICIAS


Veja passo a passo com dicas simples para começar a meditar.




PASSO 1: Aprenda, agora, como meditar de forma simples e rápida, segundo os consultores Ken O"Donnel e Paulo Sérgio Oliveirah. Procure um local confortável onde você possa se sentar, sem ser perturbado, por 15 a 20 minutos. Pode ser em uma cadeira. 

 PASSO 2: Sente-se na ponta da cadeira para que os pés fiquem bem encostados no chão (pode usar uma almofada se preferir). O corpo não deve estar rígido nem frouxo: relaxe a face, os braços, as pernas. Se quiser, coloque uma música suave de fundo. PASSO 3: encaixe os quadris e mantenha a coluna ereta. Solte os ombros, para não forçar a musculatura. Evite mudar de posição, para facilitar a concentração e evitar pensamentos dispersivos

 PASSO 4: coloque-se no centro de onde você está. Não é necessário fechar os olhos, mas pode deixar seu olhar descansando em algum ponto à sua frente. Preste atenção aos sons, à temperatura, às cores e às formas ao redor para se assegurar de que está plenamente presente, o passado já se foi e o futuro ainda não aconteceu. Você está aqui e agora 

 PASSO 5: sinta-se em paz, no centro de tudo isso, como um observador. À medida que toma consciência disso, você começará a perceber a tranquilidade contaminando toda a rede da sua vida

 PASSO 6: agora, a respiração: ela deve ser profunda e não ofegante, consciente e não automática, levando a um estado de calma. Para isso, solte o ar pelas narinas, esvaziando os pulmões e o abdômen; segure três segundos e inale profundamente, também pelo nariz, enchendo abdômen e em seguida os pulmões, permanecendo assim por 5 segundos. 

 PASSO 7: procurando esvaziar a mente, visualize uma luz branca (energia consciente) entrando em você e tomando conta de todo o seu corpo. Continue com a respiração pausada, aumentando gradativamente os tempos de inspiração e expiração. Pense que você é um ser humano em paz, amoroso e contente.

 Faça esta prática por pelo menos 15 minutos, duas vezes ao dia. (Consultoria Ken O"Donnel e Paulo Sérgio Oliveirah)