Seguidores

domingo, 24 de novembro de 2013

Pode-se ser a luz para si mesmo?



Aceita-se a palavra, a explicação, porque ela conforta; a crença conforta quando há sofrimento ou um estado de ansiedade. 

As explicações dadas por filósofos, psicólogos, sacerdotes, gurus, professores - é nessas coisas que as pessoas se baseiam para viver; o que significa que se vive uma vida de segunda mão e estão satisfeitas... 
Lê-se muito sobre o que outras pessoas pensaram, vê-se pela televisão o que está acontecendo.

 É sempre outrem, alguém lá fora, que diz o que se deve fazer. 

Com isso, a mente atrofia-se e está-se sempre vivendo uma vida de segunda mão. Alguém já se perguntou: "Posso ser uma luz para mim mesmo - não a luz de outrem, a luz de Jesus ou de Buda? 

Pode-se ser a luz para si mesmo? 

Isso quer dizer que não há sombra, pois ser uma luz para si mesmo significa que esta não é apagada por nenhum meio artificial, por circunstâncias, por tristeza, por acidente.

 Pode-se ser isso para si mesmo? Sim, mas só quando a mente não é desafiada porque está completamente desperta. A maioria de nós, entretanto, necessita de desafios, porque a maioria de nós está adormecida - adormecida porque fomos adormecidos por todos os filósofos, por todos os santos, por todos os deuses, sacerdotes e políticos. 

Adormece-se uma pessoa e ela não sabe que está adormecida: pensa que isso é normal.

 Um homem que quer ser a luz para si mesmo tem que se libertar disso tudo. 

Pode-se ser a luz para si mesmo somente quando não há "eu". Então, essa luz é a luz eterna, perene, imensurável. 

Krishnamurti. A importância de ser uma luz para si mesmo: http://goo.gl/0TXctg

Vídeos: O Eu : http://goo.gl/iFjXBK 

 Liberte-se do Eu : http://goo.gl/EhHDQz