Seguidores

domingo, 14 de junho de 2015

A Crença




"A crença invariavelmente separa as pessoas; há o parse, o hinduísta, o budista, o cristão, o comunista, o socialista, o capitalista, etc. 

A crença pode reunir determinado número de pessoas num grupo, mas esse grupo está oposto a outro grupo.

Assim, as ideias e as crenças nunca são unificadoras; pelo contrário, são separativas, desintegrantes, destrutivas." "Todas as crenças - a cristã, a hinduísta, a maometana - são fontes de inimizade entre as pessoas.

É ser intolerante apontar esse fato evidente? 


Mas, se estais apegado à vossa crença, dizeis que eu sou intolerante, porque não quereis olhar de frente o fato. É tão patente o fato de que, enquanto estivermos divididos em muçulmanos, hinduístas, cristãos, existirá necessariamente antagonismo entre nós!

 Somos entes humanos, e não uma massa de crenças em conflito." "A pessoa religiosa não tem necessidade de etiquetas, tais como “hinduísta”, “muçulmano”, “cristão”. (…) Se tivéssemos amor,caridade em nossos corações, não faríamos o menor caso de títulos (…) Porque os nossos corações estão vazios, enchem-se de coisas pueris (…) Francamente, isso é falta de maturidade."

 "Não vos estou pedindo que abandoneis a vossa igreja, nem que pertençais a alguma igreja. Para mim, tudo isso são atividades infantis, que nada significam. Assim como o nacionalismo separa as pessoas e gera guerras, assim também as religiões, as igrejas, dividem as pessoas e geram antagonismo." 


 "Nada se pode oferecer a uma pessoa que quer sair de uma gaiola para entrar noutra. Não nos interessa nenhuma dessas gaiolas, mas, tão só, a compreensão de nós mesmos.

" Jiddu Krishnamurti. Religião, Teoria, Conformismo; Diversidade, Conflito: 

http://www.krishnamurti.org.br/?q=node/671